Minha foto

Poeta nascido no Rio de Janeiro. Considerado um dos poetas brasileiros mais representativos da década de 2000 na antologia Roteiro da Poesia Brasileira (Global, 2009), é autor de vários livros publicados gratuitamente em seu blog, cujos melhores poemas foram reunidos em Corte (Ibis Libris, 2004) e rio raso (Patuá, 2014). Mantém o bem sucedido site “A Magia da Poesia”, que teve mais de um milhão de acessos em 2012, onde divulga a obra de grandes poetas. Seus poemas já foram selecionados para livros escolares, traduzidos para o russo e publicados em diversas revistas literárias.  (saiba +)

10/06/2017

breve elogio ao morno

Quando você mergulha em atividades mundanas que te dão muito prazer, a tendência é a meditação ficar mais difícil uns dias. Suas energias ficam agitadas naquela ilusão, a mente não se acalma mais tão facilmente, fica revivendo o momento de prazer ou racionalizando formas de mantê-lo ou prolongá-lo. Como se tivéssemos agitado um copo de água cristalina onde o barro já estava depositado no fundo, obscurecendo novamente toda a água.

O outro extremo, a dor, é útil para quem não está nem aí pra profundidades psicológicas, filosóficas ou religiosas. Só vê as coisas do mundo, não quer uma conexão mais profunda ("espiritual" não é uma palavra boa por não ter nada a ver com a ideia de "espírito" ou "alma"). Mas para quem já está praticando, o efeito da dor extremada é parecido com o prazer extremado: agita a água, agita a energia. Só que em vez de ficarmos racionalizando formas de manter a sensação boa, ficamos racionalizando formas de evitar a sensação ruim.

Se você consegue manter uma visão mais ampla em qualquer dos dois casos, menos agitação na água, melhor. Mas o ideal para iniciantes como eu: evitar extremos (e assim, apego e aversão) e seguir pelo morno caminho do meio.

2 comentários:

  1. "Menos agitação na água, melhor" . Concordo. Quero.

    ResponderExcluir