Minha foto

Poeta nascido no Rio de Janeiro em 1976. Considerado um dos poetas brasileiros mais representativos da década de 2000 na antologia Roteiro da Poesia Brasileira (Global, 2009), é autor de vários livros publicados gratuitamente em seu blog, cujos melhores poemas foram reunidos em Corte (Ibis Libris, 2004) e rio raso (Patuá, 2014). Mantém o bem sucedido site “A Magia da Poesia”, que teve mais de um milhão de acessos em 2012, onde divulga a obra de grandes poetas. Seus poemas já foram selecionados para livros escolares, traduzidos para o russo e publicados em diversas revistas literárias.  (saiba +)

02/08/2013

a um desenho

Para Tayra

me elevo em azul criança
porque cada palavra perfeita tua
tatua leveza
na minha esperança

conforme nos percebemos mais
mais alt(o) ar
em nossa dança
sagrada e leve

ah, menina
Voo contigo
sem nunca te soltar

Imagem: Duy Huynh

5 comentários:

  1. Comentário apagado pelo blogger - sei lá porque:

    "Amigo Poeta Fabio,
    Bom dia,
    Gostei muito do teu "A um desenho". A ilustração foi muito bem escolhida, também.
    Acho que teus poemas são "milimétricos", no sentido de econômicos nas palavras, fugindo à verborragia e, exatamente por isso, expressivos.
    Talvez possamos dizer, fazendo um paralelo com o que conversamos ontem, pelo Facebook, a respeito do Charles Bukowski, que teus versos não contêm aditivos, constituindo-se em salutar alimentação natural.
    Não sei por que, talvez sob influência do nome de teu muito bom livro ("Corte"), sempre que te leio, esta ideia de incisão cirúrgica precisa, a não admitir sequer pequenos desvios, torna-se imperiosa para mim. E é exatamente isto que dá, à tua obra, personalidade, vulto, além, é claro, do saber jogar muito bem com a ironia, com a mordacidade, com o nonsense e, diria eu, algumas vezes, com um paradoxal niilismo crítico, posto que, partindo do mesmo, deságuas na esperança.
    Um grande abraço do leitor,
    Nilton Maia"

    ResponderExcluir
  2. Tão doce e leve. Lindo mesmo. Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Adjetivo perfeito pra esse poema: leve!

    ResponderExcluir